‎”Como se tivéssemos largado a torneira aberta. Por dias. Semanas. Ouvindo a água pingando.

Batendo na louça, dentro da pia; no ralo, durante a madrugada. Mas como se tivéssemos tido preguiça de nos levantar da cama.

De deixar o quente das cobertas. tirar a cabeça do amassado do travesseiro.
De calçar os chinelos e andar até a cozinha para dar mais meio giro.

Apenas metade de uma outra volta que acabaria com o ruído. Com o gasto de água.

Com o barulho dos pingos batendo na louça. No canto do prato. Na ponta da faca.

No ralo, de madrugada. Vazamento esvaziando o reservatório por descaso. Litros e litros pelo cano por nossa culpa. Não, não foi de repente.

Não foi surpresa. Nosso amor secou aos poucos, gota a gota. E nós ouvimos todos os pingos.”

 

(Eduardo Baszczy – Desamores)

Anúncios