Enfield, Connecticut July 8, 1741

Jonathan Edwards (1703-1758)

 “Minha é a vingança, a seu tempo quando resvalar o seu pé; porque o dia da sua ruína está próximo, e as coisas que lhes hão de suceder se apressam a chegar”. DEUT. XXXII. 35

Neste versículo lemos sobre a eminência da suprema vingança de Deus sobre os Israelitas, que na altura seriam o verdadeiro povo de Deus e que viviam sob uma graça desmesurada, mas que mesmo assim Deus deles afirmava “Porque são gente falta de conselhos, e neles não há entendimento”. Deut. 32:28. De toda aquela criação de Deus, eles brotavam sarças e espinhos como fruto, amargura e ira a Quem os criara. O texto que escolhi para hoje, será “A seu tempo há-de resvalar o seu pé” e procede daquilo que me transparece relacionado com a suprema devastação eterna que esperava os Israelitas com quem Deus estava irado por causa dos seus muitos pecados. A ideia que prevalece será que eles estariam expostos àquela ira inesperada sem o saberem.

1. Eles estavam sob ameaça duma destruição inesperada, estando expostos a ela continuamente sem o saberem. Eles estariam a escorregar naqueles lugares tenebrosos da sua consciência. Isto descreve com fidelidade como estariam na eminência de serem destruídos a qualquer momento. Será isso que lemos em “Certamente tu os pões em lugares escorregadios, tu os lanças para a ruína. Como caem na desolação num momento! Ficam totalmente consumidos de terrores”.

2. Isto implica que estariam permanentemente sob a possibilidade de serem exterminados e fulminados a qualquer momento sem aviso, mas também sem maneira e sem qualquer possibilidade remota de escaparem de tal coisa. Estes lugares escorregadios apenas mostram que a qualquer momento qualquer pecador pode cair, que ninguém tem como prever quando nem como e também que ninguém tem como impedir que tal coisa se dê e assim seja. É isto que transparece das palavras “Tu os lanças para a ruína. Caem na desolação num momento!” Sal. 73:19.

3. Outra coisa que se esconde nestas palavras, é que eles cairão por eles mesmos, sem que seja necessário que alguém ajude ou contribua para que tal coisa suceda. Como caminha em lugares escorregadios, o pecador não necessita de nada para se estatelar no inferno por si mesmo e isto para sempre.

4. A única razão porque o pecador não caiu ainda, será tão só porque Deus assim ainda não quis, pois o seu tempo já está determinado que chegue. Tudo agora depende da soberana vontade de Deus apenas &endash; nada depende daquilo que o pecador possa vir a fazer. Está escrito que “a seu tempo cairão, a seu tempo resvalará seu pé”. Eles serão deixados para caírem mesmo, ninguém tem como impedir que tal coisa aconteça. Eles apenas necessitam do seu próprio peso para tombarem nestes lugares escorregadios nos quais Deus os colocou por haverem entregue seus corações a seus próprios pecados. Deus não mais impedirá que tal aconteça, não existindo mais razão para o continuar a fazer. A sua destruição está eminente e nada o poderá impedir. Estão na berma do abismo de fogo sem saber, sem quererem saber. Como o pecador está num terreno inclinado e escorregadio, que haverá que o possa impedir de escorregar definitivamente? Basta tão só chegar o seu dia, aquele que nenhum pecador tem como saber quando será, pois viram a sua cara para não encararem as suas realidades sempre eminentes.

 

Pode-se fazer a observação a partir das palavras nas quais vou insistir. “Nada impede que Deus, pela Sua soberana vontade os deixe cair para sempre, com excepção do Seu bel-prazer e Sua própria determinação soberana”. Quem poderá impedir Deus de o fazer? Quero que fique claro que toda a destruição depende tão só de quando Deus assim quiser, pois nada mais existe que tenha como determinar o preciso destino de qualquer pecador. Esta verdade transparece das seguintes elações que podemos retirar do texto.

1. Não existe qualquer falta de poder em Deus para lançar qualquer ímpio no lago do inferno a qualquer momento. Nenhuma mão humana tem como se elevar para impedir Deus de o fazer. Não existe homem que O tenha como impedir. O mais poderoso de todos eles não tem com que resistir se Deus se levantar em ira &endash; ninguém poderá livrar da Sua poderosa Mão. Não só é capaz de lançar os pecadores no inferno a qualquer momento, pois Ele também o pode fazer com muita facilidade. Muitas vezes um príncipe na terra depara-se com grandes dificuldades para vencer um oponente seu, algum rebelde do seu reino o qual se tenha fortificado com armas e homens para a este se opor. Mas não será assim com Deus. Não existe fortaleza que resista ou que tenha defesa contra o poder de Deus. Mesmo de mãos dadas, mesmo que um grande mar de gente se una em cordão contra Deus, facilmente serão despedaçados em pequenos pedaços. Serão como palha, montes e pilhas de palha diante duma forte tempestade, dum furacão. Ou como estrume muito seco perante as chamas ferozes dum grande fogo que não se apaga. É muito fácil a qualquer um de nós pisar uma minhoca no chão e esmagá-la sem que esta tenha como se proteger; é muito fácil para qualquer um de nós cortar uma linha onde algo esteja pendurado; assim ou mais fácil ainda, será para Deus desprender a vida, de alguém que Ele entenda e, quando assim entender, lançar qualquer inimigo seu, ou multidões deles ao mesmo tempo, no fogo do inferno. Quem somos nós para que pensemos que podemos resistir contra Deus, Aquele que faz estremecer toda a terra com uma leve repreensão, que provoca uma avalanche de pedra em todo o tamanho dela com um pequeno sopro?

2. Qualquer pecador merece tudo isto, merece sempre ser lançado no inferno. Assim é para que a justiça divina triunfe. A justiça divina não tem como impedir a ira de Deus, não tem objecção sequer contra esse poder que Deus tem para triunfar na sua destruição momentânea &endash; a qualquer momento Ele pode fazer tal coisa. Pelo contrário, é essa mesma justiça que clama aos Céus para que tal coisa venha a dar-se, suceda repentinamente, a qual clama alto pelo supremo castigo do todo pecado. A justiça divina que conhecemos clama e pede incessantemente que, quando uma videira brote fruto como o de Sodoma, que se corte a árvore. Lemos que “Disse então ao viticultor: corta-a; para que ocupa ela ainda a terra inutilmente?” Lucas 13:7

3. Todos os pecadores estão já condenados à partida, estão sob a sentença dum inferno justo. Eles não apenas o merecem em forma de justiça, mas a própria sentença de Deus já saiu, aquela sentença eterna e irreversível, a qual ninguém tem como reverter, para que se estabeleça a justa vingança de Deus Altíssimo. Esta sentença saiu e nada a detém. Todos estão perante a certeza irreversível do inferno. João 3:18 ” quem não crê, já está julgado”. Todo o homem por se converter pertence ao inferno. Ali é seu lugar, porque lemos (João 8:23) “Disse-lhes Ele: Vós sois de baixo”. O pecador está sob pena do inferno do eterno de Deus. Esse é o lugar que tanto a palavra de Deus que não muda, como a justiça divina e a sentença da Sua lei imutável para o pecador reservam desde sempre. Esse lugar está assegurado desde já para ele.

4. Os pecadores são o objecto da ira portentosa de Deus. Essa mesma ira expressa-se em inferno de tormentos infinitos, assim se manifesta. A única razão porque um pecador que ainda vive não caiu lá dentro ainda, não será porque Deus, sob a ira de Quem estão continuamente, não esteja muito zangado com eles ainda como está com aquelas muitas criaturas que já lá se encontram há milhares de anos a sentir na pele os grandes açoites da Sua ira sem fim. Por acaso Deus está mais irado com muitos dos que se encontram cá na Terra ainda: sem dúvida que sim, com muitos que agora aqui se encontram a ouvir-me nesta congregação, com pessoas que estão aqui sentindo-se bem à-vontade, mais daqueles que há muito lá estão nas chamas do inferno. Não será porque Deus se esqueceu deles por cá, que não esteja atento às suas perversidades, que não se sinta mal pelos seus pecados que não corta a corda que os prende, para ainda não houvessem sido sugados para as chamas. Deus não é, como eles pecadores, são, mesmo que todos eles O imaginem assim tal qual eles. A ira de Deus arde para se concretizar, a sua eterna e justa condenação não dormita como pensam muitos. O lago de fogo e enxofre está aceso e preparado para os receber a todos, o forno sobreaquecido para os engolir logo. As suas chamas já chamam e já queimam de raiva e fúria. A espada flamejante já se contorce de ira e a sua terra debaixo dos seus pés estará cedendo a qualquer momento. A boca do lago de fogo e enxofre está pronta e prestes a engoli-los sem mais atrasos.

5. O diabo está pronto também para cair em cima deles, reclamando-os como sua única propriedade exclusiva. Quando ele os quiser Deus assim permite que se faça como ele bem entender. Eles, os pecadores, pertencem-lhe, ele mesmo possui as suas almas desde já, estão sob o seu querer incondicionalmente. As Escrituras falam deles como sua mercadoria exclusiva. Todos os demónios os apascentam à espera do grande dia de os verem serem lançados nas chamas devoradoras. São como leões esfomeados à espera da carne deles; eles querem-se atirar à presa já, mas estão apenas impedidos de o fazer. Caso Deus retire a Sua mão, caso cesse de impedi-los, eles caem-lhes em cima como se fossem caça. É essa Mão que ainda os impede de se arremessarem. Se essa Mão se retirar, cairão sobre as suas almas, reclamando-as desde logo! Aquela velha serpente está a um pequeno passo de os tragar; a morte e o inferno esperam impacientemente e caso Deus permitisse, retirando a Mão que impede do seu posto, eles rapidamente seriam levados e nunca mais seriam vistos.

6. Existe dentro das próprias almas dos ímpios esses mesmos princípios infernais reinando, que logo explodiriam em chamas de grande maldade, não fosse Deus ainda impedir que tal coisa suceda. Existe na própria natureza carnal de qualquer homem mundano, um fundamento igual aos dos alicerces do próprio inferno. Estão lá ardendo todos esse princípios de pecado desde sempre, reinando pelo seu próprio poder, possuindo-os por completo e isso é a semente do inferno factualmente. Estes princípios pecaminosos reinam por si, vivem por si e serão violentos por natureza. Não fosse pela Mão que os restringe agora, logo pegariam fogo e queimariam as suas teimosias, corrupções e violências com aquela mesma inimizade com que os demónios se lançam a eles. Aquilo que os tormentos podem trazer de dentro do coração perverso de almas condenadas, a mesma inimizade está apenas impedida de se manifestar pela poderosa mão de Deus. As almas dos pecadores ainda vivos são descritas pelas Escrituras como um mar que não se aquieta (Is.57:20). De momento, Deus os retém pelo poder do Seu braço poderosíssimo. Essas ondas estão contidas ainda dentro do aceitável, pois ouvimos-Lhe dizer “Até aqui virás, porém não mais adiante; e aqui se quebrarão as tuas ondas orgulhosas”, Job 38:11. Mas caso Deus os deixasse à solta, logo se corromperiam e nada impediria a sua água negra e lamacenta de inundar tudo à sua volta. O pecado é a ruína e a semente da miséria na própria alma de quem dele se farta. Corrompe e é sempre destrutivo e caso Deus não lhe impusesse limites de fartura, nada mais seria necessário para levar qualquer alma ao extremo da sua maior miséria. A sua corrupção, a essência de todo o coração de homem, não se modera a não ser por uma poderosa mão, porque a sua fúria pecaminosa não tem limites nem fim de imaginação. Enquanto o homem ímpio aqui estiver vivo, é sempre e eternamente como fogo controlado que se fosse deixado à solta logo tudo consumiria à sua volta, mudando até o curso da natureza. Como o coração é uma fonte de pecado, caso não fosse restringido, tornaria a própria alma de quem o possui um forno aceso, um vulcão em erupção maligna e contínua.

7. Que não sirva de símbolo de segurança para qualquer pecador, nem por um momento, o facto de ainda não verem a sua morte dando sinais de ir aparecer. Não serve de segurança a saúde de ninguém, pois pode-se acidentar a qualquer momento, mesmo mostrando ser o homem mais saudável do mundo inteiro. A múltipla e corrente experiência de todos é que hoje estando vivo, logo de seguida pode estar em eminência a hora da sua morte. Sempre foi assim, os homens a pensar que nunca morrem e o inferno a tragá-los um a um. Aquilo em que o homem não pensa, aquilo de que não quer ter consciência, isso passa por ele como se nada disso existisse. Muita gente morre sem se dar conta senão apenas no último dos minutos. Os homens têm múltiplas formas de escaparem da realidade das coisas e quanto mais reais e imutáveis forem essas coisas, tanto mais facilmente e tanto mais profundamente se “esquecem” dessas realidades, tanto mais voluntariosamente deixam de pensar nelas. Os homens não-convertidos navegam num mar de chamas do qual negam sentir o calor sobre a casca de palha. Apenas evita que tombe aqui e acolá pensando que dessa forma se tem como se livrar da queda eminente e da perda inevitável. Essa casca de palha é tão frágil para aquilo que é usada que apenas a extrema misericórdia de Deus tem como evitar que essa casca seja tragada de imediato por chamas que nunca se apagam. Nem o peso do homem a tal obra em casca e palha tem como segurar a menos que seja porque Deus intervém. Qualquer seta de morte rasga os céus em plena luz do dia. Que impede o homem mortal de ser atingido por uma delas? Elas são setas invisíveis, que não se deslumbram quando são atiradas contra o homem mortal. Deus tem tantos meios de retirar dos mortais a sua vida, para que sigam o seu caminho para o inferno, para o seu lugar de eleição, que nem se pense que algo miraculoso tem de se passar primeiro para que seja tido que foi Deus a fazê-lo, pois há muitas maneiras de se morrer naturalmente. Basta tão só a Providencia divina para estatelar alguém numa morte irreversível. Todos os meios e mecanismos através dos quais os homens mortais abandonam este mundo, estão tão dependentes das mãos providenciadoras de Deus, tão universalmente e absolutamente sujeitos ao poder da Sua determinação, que de nada mais tem como depender o momento da morte de cada um. Apenas depende de que Deus assim queira que se faça, nada mais impede um pecador de cair para sempre num inferno infinito.

8. O homem natural e a sua incoerente prudência em preservar-se a si mesmo, ou o cuidado dos outros em preservá-los, nada lhes garante de facto, nem por um pequeníssimo momento. Disto testemunha a cautelar providencia infinita de Que já criou o mundo. Existe este facto já de si comprovado que nenhuma sabedoria humana pode livrar o homem da sua perdição. Se tal coisa fosse verdade, veríamos desde já alguma diferenciação entre os políticos e sábios de hoje e outras pessoa menos inteligentes, no que toca à sua morte. Mas de facto, aquilo que dizem as Escrituras transparece sempre repleto de verdade infinita, nomeadamente: “Pois do sábio, bem como do estulto, a memória não durará para sempre; porquanto de tudo, nos dias futuros, total esquecimento haverá. E como morre o sábio, assim morre o estulto!” Ecles.2:16.

9. Todo e qualquer esquema dos ímpios, todas as suas agonias em escapar do inferno, enquanto rejeitam Cristo na sua vida pratica, mantendo a sua impiedade porque sem Cristo não terão como se verem livres dela, não lhes assegura uma livrança do inferno, nem por um momento. Qualquer homem natural que tente escapar do inferno, bajula seu ego sempre para não ter que pensar que não tem como escapar dele. O pecador depende dele próprio para escapar, vitoria-se e vangloria-se em si mesmo, depende das suas próprias forças para escapar à sua maneira. Bajula-se, entretém-se, gasta mal seu tempo sempre e mostra aquilo que consegue fazer apenas para acreditar que vai escapar. Todo e qualquer um tem sempre uma ideia bem delineada de como há-de escapar do inferno. Luta com suas crença e credos, tentando sempre convencer a ele mesmo por todos meios de que há-de escapar, pensando-se o mais sábio de todos os homens. Ouvem sempre que muito poucos se salvarão, que muitos estão já no inferno, mas mesmo assim cada um deles imagina sempre que há-de escapar ileso. Acha sempre que será sempre melhor sucedido que todos os outros que já estão a queimar e que com ele tal coisa nunca ocorrerá. Ele não quer ir para aquele lugar de tormento, tentando enganar-se a si mesmo continuamente que nunca se enganará a esse respeito. Mas os miseráveis filhos dos homens iludem-se sem cessar, isto através de esquemas e ocupações próprias, tal é a confiança cega que depositam neles mesmos continuadamente. Confiam numa nuvem sombria. A grande maioria que conseguiu viver sob a era da graça e agora morreram, também pensavam assim e nem por isso deixaram de ir para no inferno. Eles não seriam menos inteligentes que todos aqueles que aqui se encontram; também não foi porque cometeram um qualquer erro de calculo nos seus muitos esquemas; se algum de nós pudesse ter como vir a falar com um qualquer desses homens ou mulheres que já lá estão perecendo, de certeza que quando se lhes perguntássemos se pensavam em vida que iam para o inferno, todos sem excepção acharam que nunca iriam parar num local de tantos horrores assim. Pensaram sempre o melhor deles próprios enquanto em vida e nenhum deles diria que tinha a intenção de ir parar ali. Todos diriam “Não sabia que vinha parar aqui, nunca concebi que isto viesse a suceder-me, pensava que dum jeito ou de outro sempre escaparia do juízo de Deus. Eu tinha a certeza que seria impossível eu ir parar no inferno! Mas apanhou-me desprevenido, não esperava tal coisa naquele momento, tão rápido assim. Eu bem queria preparar-me, mas pensava que ainda havia tempo suficiente para fazê-lo. Fui surpreendido pela morte como se é com um ladrão de noite. A ira de Deus foi rápida demais para mim. Ó, que maldita agonia, que maldita tolice a minha! Sempre me bajulei pensando que eu era especial! E quando eu menos esperava morri. Sempre me convenci que tinha paz com Deus e enganei-me profundamente, irremediavelmente!

10. Deus nunca se comprometeu a salvaguardar um único homem carnal do inferno. Nem uma só vez Deus se comprometeria com tal coisa absurda. Ele com toda a certeza nunca prometeu vida eterna a quem permanecesse no seu pecado, nem nenhuma espécie de protecção especial duma morte eterna. Só prometeu a quem guardasse os estatutos do Seu Testamento através do Senhor Jesus Cristo, em quem essas promessas serão sempre sim e amem! Qualquer um que não haja crido nessas promessas de os livrar de pecar sob graça, nunca tiveram interesse no Mediador desse Testamento. Assim, todos aqueles que estão indo para o inferno por muito que se esgotem na oração, por muito religiosos que sejam, por muita seriedade que tenham no bater da porta que para eles não se abre, peça o que pedir, enquanto Cristo não for verdadeiro em si mesmo como Mediador real, Deus nunca estará comprometido a livrar tal homem da sua sentença final. Deus terá sempre a ultima palavra.

Assim é então, que Deus segura o homem de cair no inferno, está sempre pendente sobre o lago de fogo. Eles mesmo o merecem por si mesmos, estando sempre sentenciados sob essa mesma pena. Deus está provocado ao extremo da sua ira contra eles, tanto quando estará com aqueles que já estão a sentir a Sua fúria sem volta lá no inferno. Nada fizeram par se livrarem daquele abismo sem volta, sem saída possível, nada fizeram para apaziguar a sua ira. Deus nunca se comprometeu a livrá-los de qualquer tormento, o diabo espera a oportunidade de os vir a sugar. O inferno está de boca aberta esperando tragá-los a qualquer momento da sua vida, as chamas engolem já muitos sem que pensassem ir lá parar. O seu pecado está sempre em chama de pecado e não pretendem conhecer Quem os pode livrar dessas chamas do pecado, dessa semente do inferno. Não pretendem estar seguros, apenas desejam a mentira desde que seja sua própria e enquanto tentam salvar-se a si mesmos com muitos esquemas vagabundos, mostra como nunca pretendem o único Mediador como tal, apenas em si mesmos confiam para se livrarem. Resumindo, eles não estão seguros, não têm qualquer refugio em qualquer recanto de todo o universo e a única coisa que os previne de caírem de vez naquele poço de chamas será apenas uma vontade arbitrária de Deus. Também a tolerância voluntária, não comprometida dum Deus muito irado.

FONTE: http://www.gospeltruth.net/Port/PECADORES_NAS_MAOS.htm