Publicado por Felix on 1/ago/2010 in Midias Sociais

A preocupação com a privacidade aumenta a cada dia, aqui mesmo já comentei quando a Google liberou o plugin para desativar o analytics para que nossos dados não sejam enviados a eles quando visitamos algum site que faça uso dessa ferrameta de webanalytics. Além disso, têm-se visto diversas discussões sobre a política de privacidade do Facebook, ou mesmo os usuários do Twitter que protegem seus posts. Tudo isso sempre batendo na mesma tecla: privacidade

Vamos pensar em algumas das redes sociais mais populares na atualidade: Diversos usuários usam o Twitter para atualizar praticamente em tempo real tudo o que fazem; como por exemplo: quando saem de casa para trabalhar, horário de almoço, quando estão no colégio/faculdade e quando voltam para casa. Com a possibilidade de integrar esta rede social ao Foursquare não é difícil saber onde este mesmo usuário mora, trabalha e estuda, além claro de ter de bônus informações de quais os locais que esta pessoa gosta de frequentar em seus momentos de lazer, férias, ou mesmo viagens de negócios. Só estas duas redes sociais já podem de certa forma comprometer a privacidade so usuário; somadas então ao Orkut e/ou Facebook deixam publicamente informações sobre sua família, amigos e demais dados que por vezes nem imaginamos.

É noticia nada atual de que ladrões estão cada vez mais procurando suas vítimas através da internet. Antes seria necessário ao criminoso que este saísse da comodidade de seu lar para vigiar sua (sic) “presa”, hoje não mais. Tudo pode ser feito virtualmente.

Alguns usuários preocupados com a forma com que outros estavam compulsivamente compartilhando todas suas informações pessoais na rede, expondo-se de forma desnecessária e colocando a si próprios ou membros de suas famílias em risco, puseram no ar o site Please Rob Me, que pode ser traduzido como “Por favor, me roube” onde eram informadas residências que poderiam ser potenciais alvo de assaltantes devido a seus proprietários revelarem publicamente que não estavam lá, seja em viagem, a trabalho, etc… Todas estas informações assim, livres na rede para quem quiser ver.

Claro que não devemos ser paranóicos quanto a redes sociais. Seu uso já é comprovadamente mais do que benéfico: negócios são fechados, pessoas são contratadas, empresas contratam, compras e vendas se concluem, propaganda, etc. Há inclusive redes sociais muito específicas, um bom exemplo é o Linkedin, onde profissionais oferecem seus serviços e empresas os recrutam.

Há algum tempo inclusive fui entrevistado pela @brunadess a respeito de privacidade na internet. As principais medidas sempre têm que serem tomadas por parte do usuário, termos consciência de quais informações disponibilizamos na internet. Estranho que ensinamos tanto a nossos filhos que não se deve falar ou abrir a porta de casa para estranhos, mas nós mesmos abrimos todas nossas portas a todo o mundo publicando tantas informações na web.

Até pouco tempo atrás era necessário ser um hacker como Kevin Mitnick e usar de estratégias de Engenharia Social para obter certas informações, hoje, algumas contas em redes sociais, saber usar os mecanismos de busca e com um pouco de paciência, é possível ter todo um histórico de seu dia a dia, por isso fica a dica: cuidado antes de publicar qualquer informação pessoal ou profissional na rede.

Fonte:

ASF